A crise em seis dias: vazamento de informações, reuniões e e-mail

A crise em seis dias: vazamento de informações, reuniões e e-mail

 

Irritação por ter ficado fora de encontro levou Luiz Augusto Veloso a bater boca com Isaías Tinoco, que acabou pedindo demissão na última sexta-feira

 

Uma discussão aparentemente corriqueira virou uma bola de neve e acabou no bate-boca entre o gerente Isaías Tinoco e o diretor executivo de futebol no Flamengo na semana passada. Nesta segunda, a presidente Patricia Amorim terá uma reunião para resolver a questão. Confira abaixo a cronologia da crise em seis dias. No roteiro, troca de e-mails , explicações e acalorada discussão.

Quarta-feira, dia 28

Numa reunião a portas fechadas no Ninho do Urubu, Isaías, Veloso, Vanderlei Luxemburgo e Sérgio Helt (responsável em executar as logísticas de viagens do time) chegaram à conclusão de que em vez de enfrentar o Universidad do Chile em outro estado, o melhor seria pedir o adiamento da partida da Copa Sul-americana, o que acabou sendo feito por indicação de Helt (do dia 5 para o dia 19). No mesmo dia, Veloso deu declarações à imprensa e revelou o teor da reunião, o que causou contrariedade em Isaías, que considerou vaidade do dirigente em capitalizar a ideia. Apesar de discordâncias, o clima não chegou a ficar pesado.

Quinta-feira, dia 29
Integrantes do departamento de marketing do Flamengo foram ao Ninho do Urubu discutir questões com profissionais do clube. Aconteceu uma reunião no CT, sem a presença de Veloso. O dirigente demonstrou irritação por não ter sido comunicado sobre a conversa. Sereno, Isaías explicou a situação e tentou mostrar que a reunião não teve nenhum caráter decisivo nem houve a intenção de excluir Veloso.

Sexta-feira, dia 30
Mesmo tendo ouvido as explicações de Isaías Tinoco no dia anterior, Veloso mandou um e-mail para o departamento de marketing questionando a reunião de quinta e o fato de não ter sido comunicado. O diretor executivo fez questão de copiar Isaías no e-mail. Foi a senha para o gerente perder de vez a paciência. Na Gávea, os dois tiveram uma forte discussão, Isaías pediu demissão e não compareceu ao treino da tarde no Ninho do Urubu, fato raro. A presidente Patricia Amorim esteve na atividade e conversou com Vanderlei Luxemburgo e Veloso.

Sábado, dia 1º
Pelo segundo dia consecutivo, Isaías Tinoco não compareceu ao treinamento e também não embarcou para São Paulo junto com a delegação para o jogo contra o Tricolor Paulista. Patricia Amorim compareceu novamente ao CT. A presidente tentou contato por telefone com Isaías, sem sucesso, pois o dirigente estava incomunicável. A cúpula decide não se pronunciar sobre o assunto antes da partida diante do Tricolor Paulista e agenda uma reunião para segunda-feira.

Domingo, dia 2
Depois da vitória por 2 a 1 sobre o São Paulo, o time voltou ao Rio na noite de domingo. No desembarque, Luiz Augusto Veloso se esquiva ao ser questionado sobre a crise. “Não estou sabendo de nada (sobre a reunião que a presidente Patricia Amorim convocou para esta segunda-feira). É folga”, limitou-se a dizer Veloso. Até o fim da noite, Patricia Amorim tentou novamente sem sucesso contato com Isaías. A presidente não esteve em São Paulo. Um alto integrante da diretoria aposta que tudo terminará em pizza.

Segunda-feira, dia 3
Isaías Tinoco volta a ligar o telefone, mas prefere não se pronunciar antes da reunião com a presidente Patricia Amorim.

- Quando tiver definições eu me pronunciarei – limitou-se a dizer o gerente de futebol.

O encontro acontecerá no fim da tarde desta segunda-feira.